20 de setembro de 2016

CASAIS QUE DIZEM “NÓS” RESOLVEM MELHOR SEUS CONFLITOS

_O USO DA LINGUAGEM DO"NÓS" É UMA CONSEQUÊNCIA NATURAL DE UM
SENTIMENTO DE PARCERIA, DE SER DO MESMO TIME, E DA CONFIANÇA EM SER
CAPAZ DE ENFRENTAR OS PROBLEMAS JUNTOS.___

As pessoas frequentemente queixam-se dos casais que constantemente
referem-se a si mesmos como "nós" - os críticos afirmam que isso
revela convencimento, presunção e até abrir mão da individualidade.

Mas um novo estudo, realizado na Universidade de Berkeley, nos Estados
Unidos, divulgado na BBC, sugere que os cônjuges que usam "a linguagem
do nós" são mais capazes de resolver seus conflitos do que aqueles que
se mantêm no "eu e você".

MENOS ESTRESSE FISIOLÓGICO

Os pesquisadores analisaram as conversas entre 154 casais de meia-idade
e mais velhos sobre os pontos de desacordo em seus casamentos e
descobriram que aqueles que usaram pronomes como "nós", "nosso" e
"nós" se comportaram mais positivamente em relação um ao outro e
demonstram menos estresse fisiológico.

Por outro lado, os casais que enfatizam sua separação, usando pronomes
como "eu", "meu" e "você" foram considerados menos satisfeitos em seus
casamentos. Isso foi especialmente verdadeiro para os casais mais
velhos. Seu uso de pronomes que denotam separação foi mais fortemente
ligado a casamentos infelizes, de acordo com o estudo.

COMPARTILHAMENTO DA IDENTIDADE

Além disso, o estudo descobriu que os casais mais velhos se identificam
mais como "nós" do que os casais de meia-idade, sugerindo que enfrentar
obstáculos e superar desafios juntos a longo prazo, incluindo criar
suas famílias, pode dar aos casais um maior sentido de compartilhamento
da identidade.

"A individualidade é um valor profundamente enraizado na sociedade
[ocidental] mas, pelo menos na esfera do casamento, para ser parte de um
'nós' vale muito a pena ceder um pouco do 'eu'", diz Robert Levenson,
coautor do estudo publicado no último exemplar da revista _Psychology
and Aging_.

SENTIMENTO DE PARCERIA

Estudos anteriores demonstraram que o uso de "nós" ou da "linguagem da
separação" é um forte indicador da satisfação conjugal em casais
mais jovens.

Estes últimos resultados, contudo, levam essas conclusões várias
etapas à frente ao demonstrar o quão poderoso essa correlação é em
casais mais estabelecidos, relacionando-a com as emoções e com as
respostas fisiológicas que ocorrem quando os cônjuges se unem ou se
polarizam em face de divergências.

"O uso da linguagem do"nós" é uma consequência natural de um
sentimento de parceria, de ser do mesmo time, e da confiança em ser
capaz de enfrentar os problemas juntos," afirmou Seider Benjamin, outro
participante da pesquisa.

PARA REFLETIR: "EU E VOCÊ" VERSUS "NÓS": quando se trata da
satisfação conjugal, os pronomes realmente importam?

 

 
 
19 de agosto de 2016

A LENDA DO AMOR

Era uma vez o amor...
O amor morava numa casa
assoalhada de estrelas
e toda enfeitada de sóis.
Mas não havia luz na casa do amor,
porque a luz era o próprio amor.

E então o amor queria uma casa mais linda para si!
- Que estranha mania essa do amor!
E fez a terra,
e na terra fez a carne,
e na carne soprou a vida,
e na vida imprimiu
a imagem da sua semelhança.
E a chamou de ser humano.

E, dentro do peito do ser humano,
o amor construiu a sua casa,
pequenina, mas palpitante,
inquieta e insatisfeita com o próprio amor.
E o amor foi morar
no coração do ser humano
e coube todinho lá dentro,
porque o coração do ser humano foi feito para o infinito.

Uma vez, o ser humano ficou com inveja do amor.
Queria para si a casa do amor, só para si,
como se o amor pudesse viver só.
E o ser humano sentiu uma fome torturante e a comeu!...

O amor foi-se embora do coração do ser humano.
O ser humano começou a encher seu coração:
encheu-o com as riquezas da terra e ainda ficou vazio.

E o ser humano, triste, derramou suor para ganhar a comida.
Ele sempre tinha fome e continuava com o coração vazio.
E, uma vez, resolveu repartir seu coração inútil com as criaturas da
terra.
O amor soube... Vestiu-se de carne
e veio também receber o coração do ser humano.

Mas o ser humano reconheceu o amor e o pregou numa cruz.

E continuou a derramar o suor para ganhar a comida.
O amor então teve uma idéia:
vestiu-se de comida, disfarçou-se de pão e ficou quietinho.
Quando o ser humano faminto ingeriu a comida,
o amor voltou à sua casa, no coração do ser humano.

E o coração do ser humano se encheu de plenitude. ( Autor
desconhecido)

Caro leitor: Desejo que esta mensagem o encontre na paz e no bem, que é
um jeito bonito de estar na vida. Dar e receber AMOR: lembrar das
pessoas que fazem a diferença na sua vida. Um abraço, um beijo, um
aperto de mão, um telefonema, uma mensagem, enfim um simples gesto de
demonstrar o seu afeto. Ame-se! Afinal, o nosso coração é como um
espelho: recebemos aquilo que nele refletimos...