19 de agosto de 2016

A LENDA DO AMOR

Era uma vez o amor...
O amor morava numa casa
assoalhada de estrelas
e toda enfeitada de sóis.
Mas não havia luz na casa do amor,
porque a luz era o próprio amor.

E então o amor queria uma casa mais linda para si!
- Que estranha mania essa do amor!
E fez a terra,
e na terra fez a carne,
e na carne soprou a vida,
e na vida imprimiu
a imagem da sua semelhança.
E a chamou de ser humano.

E, dentro do peito do ser humano,
o amor construiu a sua casa,
pequenina, mas palpitante,
inquieta e insatisfeita com o próprio amor.
E o amor foi morar
no coração do ser humano
e coube todinho lá dentro,
porque o coração do ser humano foi feito para o infinito.

Uma vez, o ser humano ficou com inveja do amor.
Queria para si a casa do amor, só para si,
como se o amor pudesse viver só.
E o ser humano sentiu uma fome torturante e a comeu!...

O amor foi-se embora do coração do ser humano.
O ser humano começou a encher seu coração:
encheu-o com as riquezas da terra e ainda ficou vazio.

E o ser humano, triste, derramou suor para ganhar a comida.
Ele sempre tinha fome e continuava com o coração vazio.
E, uma vez, resolveu repartir seu coração inútil com as criaturas da
terra.
O amor soube... Vestiu-se de carne
e veio também receber o coração do ser humano.

Mas o ser humano reconheceu o amor e o pregou numa cruz.

E continuou a derramar o suor para ganhar a comida.
O amor então teve uma idéia:
vestiu-se de comida, disfarçou-se de pão e ficou quietinho.
Quando o ser humano faminto ingeriu a comida,
o amor voltou à sua casa, no coração do ser humano.

E o coração do ser humano se encheu de plenitude. ( Autor
desconhecido)

Caro leitor: Desejo que esta mensagem o encontre na paz e no bem, que é
um jeito bonito de estar na vida. Dar e receber AMOR: lembrar das
pessoas que fazem a diferença na sua vida. Um abraço, um beijo, um
aperto de mão, um telefonema, uma mensagem, enfim um simples gesto de
demonstrar o seu afeto. Ame-se! Afinal, o nosso coração é como um
espelho: recebemos aquilo que nele refletimos...
 
 
29 de julho de 2016

A vingança não leva a nada

agencia relacionamentos

Quem nunca se sentiu injustiçado e desejou se vingar? A vingança pode ser bem agradável no momento da raiva, mas é uma sensação de curta duração e, na maioria das vezes, não é nada prazerosa.

As pessoas desejam se vingar quando alguém faz ou diz algo desagradável, de forma consciente ou até inconsciente. Ou seja, quando a ação resulta em alguma forma de menosprezo, de se sentir lesado ou impotente diante de outras pessoas ou não. Muitas vezes, pessoas com o pavio curto optam por contra-atacar fisicamente ou com palavras.

O ideal antes de pensar em vingança, é dizer para a pessoa que a feriu o quanto você está desapontada, magoada e que está sentindo muita raiva.

Situações de desentendimentos, mágoas, frustrações e de vingança é comum no dia-a-dia, seja em casa, no trânsito, na escola e até no ambiente de trabalho. Mas, são as histórias de amor que rendem audiência nos jornais e na ficção dos folhetins das novelas. Estamos sempre nos deparando com cenas de ciúmes e vingança.
A esposa que decide se vingar do marido que a trocou por uma mulher mais jovem. O homem que não suporta ser abandonado e ver a amada nos braços do outro.

Em geral as mulheres costumam planejar a vingança. Já os homens são educados desde pequenos para devolver a agressão quando provocados.

Mas, dependendo da situação, o descontrole toma conta e a pessoa enfurecida nem pensa em planejar. Parte para a ação. Maria Luiza, 45 anos, empresária conta que quando chegou em casa e flagrou o marido na cama com a amante, jogou água quente nos dois.
Não satisfeita, cortou todas as roupas do safado e jogou pela janela do 18º andar, todos os seus pertences. Nada chegou intacto. Um amontoado de entulhos e um coração dilacerado, de tanta dor. Foi um escândalo no prédio.

Quando a raiva passou, se deu conta de que exagerou na dose. Até porque jura que graças a separação do “traste”, acabou encontrando o amor da sua vida. Enquanto o ex-marido continua não tendo sorte nos seus relacionamentos ela tem certeza de que a sua felicidade é a melhor vingança.

 
 
08 de julho de 2016

Atração Física

atracao-fisica

Todos nós sonhamos ter um relacionamento amoroso verdadeiro, intenso e seguro.

No entanto, tudo começa pela atração física, que tem muito a ver com a paixão. Uma sensação e um sentimento meio inexplicável.

A tão famosa “química”. Sempre costumo dizer, nas minhas entrevistas, que se ela não acontecer, desista! Sem tesão, não tem solução… Nenhum casamento se mantêm intacto quando falta o sentimento de pele. Os riscos de ruptura ou de traição são sempre iminentes.

A atração física no relacionamento é uma base importantíssima quando existe cumplicidade entre o casal. Quando existe respeito, amizade e afeto. Estes são fatores primordiais para o desenvolvimento e crescimento pessoal e profissional de ambos.

Compartilhar sonhos, novos projetos, falar das angústias e inquietudes. Ter alguém para andar de mãos dadas, viajar, dançar. Acordar e saber que o outro está ali e que é possível abrir o coração, confiar e se entregar por inteiro, sem medos.

Encontrar alguém com todas essas características, nos dias de hoje, é muito raro. Ninguém de sã consciência desperdiça alguém tão interessante. Saber valorizar os pontos positivos e relevar alguns defeitinhos é importante para assegurar um relacionamento feliz e duradouro. E tudo isso, é fruto da união entre duas pessoas que fazem todo o possível para permanecer sintonizados , se descobrindo continuamente. A atração física sozinha não segura nenhuma relação.

Saber dosar a atração física, o companheirismo, a amizade e o afeto, este é o segredo para construir e manter uma relação a dois mais verdadeira e prazerosa. É bom lembrar sempre que a pessoa amada é uma joia preciosa que possuímos.

 
 
17 de junho de 2016

A MAIOR TRAGÉDIA DO AMOR É QUANDO O MEDO DE PERDER É MAIOR DO QUE A VONTADE DE GANHAR

“Estamos namorando há oito meses. Enfrento diariamente o medo de perder a pessoa amada. Meus relacionamentos não são duradouros por causa dessa minha neurose. Às vezes, prefiro terminar apenas para não sofrer. Sei que sufoco, mas não consigo me controlar. Preciso de ajuda.”

Sara, 33 anos.

A estruturação da vida afetiva começa cedo, na infância. Se tivermos uma experiência de afeto e acolhimento por parte, principalmente, dos pais, internalizamos uma visão do mundo com um lugar bom e passamos a ver os outros como pessoas que nos querem bem. Ao contrário, se nossas primeiras experiências com as pessoas são sofridas solidificamos a crença de que as pessoas, em princípio, são ruins e poderão nos fazer mal. Desconfiança é medo. Desconfiar é deixar de viver o presente para tentar controlar o futuro. Quem desconfia, sofre sempre! O parceiro deixa de ser objeto de prazer e passa a ser um possível causador de sofrimento e decepções.

É preciso ter sempre em mente que ninguém é dono de ninguém. É falsa a crença da posse no amor. As pessoas ficam juntas porque querem e não porque se pertencem. É inútil querer que o parceiro se comporte da maneira que nos interessa para anular o nosso medo de perder. No fundo, queremos que o outro mude para não nos sentirmos ameaçados.

Quando um dos parceiros acredita que não consegue mais viver sem a pessoa amada e passa a se dedicar excessivamente ao outro, algo está errado. Para preservar a união é fundamental o respeito à individualidade e não esquecer a própria identidade. Investir demais num relacionamento pode ser perigoso. Tudo o que é demais, perde a graça. O ser humano tem na sua essência a necessidade do mistério, da novidade. Ninguém suporta o patrulhamento, a cobrança e a falta de confiança. Para exigir respeito, primeiro precisa se respeitar. A relação amorosa não pode fechar a vida para as amizades, o lazer, o trabalho, a família, a vida social. É um grande erro tentar afastar a pessoa amada dos amigos ou da família.

Ao invés de amor colhe-se frustração, decepção e, certamente, ninguém gosta de ter ao seu lado uma pessoa infeliz que só implica e aponta as diferenças.

O amor é o mais perfeito e completo exercício da vida. Assim como a vida, ele não vem com o “script” pronto. É preciso acreditar, apostar na força do amor, dar liberdade e principalmente confiar no próprio taco. Se isto não estiver acontecendo é importante avaliar a sua forma de amar e tentar descobrir os motivos do seu descontrole. Que tal trabalhar as inseguranças, o ciúme e elevar a autoestima? Se não quiser perder a pessoa que ama, sugiro que busque auxílio na terapia.

 
 
08 de junho de 2016

Matchmaker dá dicas de como encontrar alguém especial

Com a proximidade do Dia dos Namorados, o clima romântico pairando no ar, o apelo publicitário lembrando a cada momento do quanto é bom estar apaixonado, quem está sozinho acaba se sentindo como “um peixe fora d’água”. Mas sempre é tempo de conhecer alguém especial e conquistar um coração. Quem garante é a matchmaker Marlene Heuser, que há 21 anos se dedica a aproximar casais e já uniu mais de 3000 pares através da Golden Years – agência de relacionamentos.

Quem não quer ficar sozinho, no entanto, deve ficar atento a algumas dicas da especialista em relacionamentos. Marlene lembra que, para conhecer alguém especial, é preciso, antes de tudo, ser também uma pessoa especial. Isso significa, por exemplo, que não dá pra ter pressa e agir no desespero apenas para não passar o dia 12 sozinho.

“Quem quer um relacionamento sério e duradouro sabe que é preciso investir tempo e dedicação para isso”, lembra Marlene.

Quem tem um perfil mais introspectivo, é claro, pode ter um pouco mais de dificuldades para encontrar a carametade. Mas não dá pra esperar que a pessoa certa caia do céu. “Se você ficar trancado em casa se lamentando, ninguém vai aparecer batendo em sua porta”, garante a matchmaker. Além do mais, é preciso estar de bem com a vida, gostar de si mesmo, ser uma pessoa confiante, alto astral, que sabe expressar os seus desejos, para que o encontro possa ser realmente especial. “Quando estamos muito tristes e carentes, a tendência é achar que toda nossa felicidade depende do outro. Pelo contrário! Primeiro temos que ser felizes, para só então podermos nos realizar em uma relação”, explica. “A carência sempre atrai relacionamentos insatisfatórios. E ninguém gosta de conviver com alguém cabisbaixo, rabugento, ‘pra baixo'”, complementa.

Marlene Heuser aponta ainda que é comum as pessoas idealizarem demais uma pessoa quando estão na busca de um novo companheiro ou companheira, como se houvesse um príncipe encantado ou uma mulher-maravilha. “Isso só dificulta ainda mais o processo de efetivar uma união, pois quando idealizamos muito um companheiro, nos decepcionamos com facilidade.

Nesses casos, nos tornamos muito exigentes e não nos damos conta de que nem sempre temos a oferecer o que estamos exigindo. Todos temos defeitos, mas todos também temos qualidades maravilhosas, que podem encantar o outro em um relacionamento. No entanto, precisamos estar abertos a ver no outro essa pessoa bacana, dando ênfase aos pontos positivos e minimizando os defeitinhos”, sintetiza a especialista.

Em resumo, Marlene admite que não existe fórmula milagrosa para alguém que quer arranjar namorado ou namorada antes do dia 12 de junho, mas garante que a felicidade duradoura é possível quando a pessoa está consciente do que quer. “Se for só pra diversão ou passa-tempo, é possível arrumar companhia para o dia dos namorados. Mas a possibilidade de que esse primeiro encontro se transforme efetivamente em uma relação é um pouco mais difícil… Já quem quer de verdade um relacionamento maduro tem que apostar com mais tranquilidade na escolha de um parceiro amoroso com quem tenha afinidades fundamentais como caráter, projetos de vida, nível intelectual e não apenas com pequenos gostos. Mas, para isso o primeiro passo é não deixar a vida amorosa por conta do acaso…É preciso pensar e agir com coerência na hora de ir em busca de um novo amor e, principalmente, ter em mente onde é possível encontrar alguém compatível para construir uma relação equilibrada e enriquecedora, respeitando sua individualidade e a de seu parceiro. Uma verdadeira história de amor, com final feliz!

 
 
06 de maio de 2016

Controle o seu temperamento, pelo menos em público

Falta de educação, narcisismo e descontrole emocional podem acabar com a imagem de qualquer um. Bom senso é fundamental.

Tudo começou quando um casal (um estrangeiro e uma linda jovem) entrou num restaurante muito elegante em São Paulo e sentou-se numa mesa que estava reservada para outras quatro pessoas. Imediatamente foram alertados pelo garçom que seria preciso mudar de mesa. Inconformada, a moça reagiu dizendo: Seu mal educado, seu grosso. Tá pensando o quê?Assustado, o funcionário chamou o mâitre que, delicadamente, explicou que eles poderiam sentar-se numa mesa mais ao fundo do restaurante, de dois lugares, tão boa quanto a primeira e ao lado de uma grande personalidade do mundo político. Acomodada na tal mesa, mas ainda inconformada com a troca, a jovem continuou a falar mal do garçom num tom de voz alto para que todos no local pudessem ouvir. Até que um cliente bateu nas costas da moça e disse: A senhora poderia falar mais baixo e parar de humilhar o garçom? Ao que prontamente elarespondeu: Cala a boca, seu b…a!. Injuriado, o cliente reagiu: Cala a boca você, sua garota de programa! Sem pestanejar a garota jogou um copo de água no homem que revidou com outro, que em seguida recebeu um copo de vinho bem no meio do rosto revidado em seguida. Vendo a cena o estrangeiro foi embora horrorizado seguido pela moça que saiu atrás xingando a todos. Em função do triste espetáculo, o restaurante, preocupado com a sua imagem, pediu desculpas e não cobrou o vinho servido a boa parte dos clientes.

Este tipo de incidente costuma acontecer em supermercados, consultórios ou salas de aula e mostra a que ponto as pessoas podem chegar quando são contrariadas nas suas vontades. Um livro lançado nos EUA, Epidemia do Narcisismo, fala sobre o quanto as pessoas estão preocupadas em atrair para si as atenções e nada atentas ao que acontece com os outros. Para quem não se lembra, Narciso é uma figura mitológica tão apaixonada por si que passava o dia olhando-se refletido num lago. Narcisismo, temperamento difícil, falta de educação e descontrole emocional infelizmente andam juntos e nos últimos tempos têm patrocinado episódios que podem incluir até cenas de violência.

Quem era a moça da história não importa, porque controle pessoal e comedimento não estão associados a uma ou outra profissão, mas a percepção do quanto nosso comportamento pode afetar as pessoas que estão a nossa volta. Quando se tem a exata medida do quanto somos capazes de fazer bem ou mal para quem está próximo a nós, em qualquer profissão ou situação, avançamos muito como pessoas e não corremos o risco de ser acometidos pela Epidemia do Narcisismo.

Procurando um novo amor?

Fuja de pessoas excessivamente narcisistas. Você nunca será suficientemente bom e interessante para ela!

 
 
29 de abril de 2016

Agência de relacionamentos: como funciona

agencia de relacionamento 2

A ideia romântica de que, um dia, esbarraremos com um estranho na rua e nos apaixonaremos perdidamente ainda permeia o pensamento de muitas pessoas ao redor do mundo. E deve. Afinal, até onde sabemos, tal ideia pode ganhar vida a qualquer momento, seja em uma esquina em São Paulo, em um café em Paris ou em uma praça em New York. Porém, nem sempre o acaso mexe os seus pauzinhos, nos forçando a tomar uma atitude frente à situação.

Se você trabalha demais e se descobre sozinho tarde da noite ou no final de semana; se seus amigos já não têm mais quem apresentar; e se você desistiu de buscar na balada e em sites de relacionamento, pois percebeu que não surtiu efeito, então, neste caso, uma das opções mais certeiras é procurar uma agênciade relacionamentos.

No entanto, muita gente parece desconhecer o funcionamento de um local como esse e, por isso, acaba não tentando. Clique na imagem abaixo e veja entrevista da Marlene Heuser, proprietária da Golden Years, sobre como funciona  o serviço de aproximação de pessoas na agência.

agencia de relacionamento

O primeiro passo é preencher, sem compromisso, um formulário – comece preenchendo o cadastro no lado direito deste site. Se você estiver usando o celular, o cadastro está logo abaixo deste artigo. Imediatamente enviaremos um email explicando melhor a proposta de trabalho da agência. A partir daí, caso tenha interesse e após questões contratuais, você será convidado para uma entrevista pessoalmente ou via skype para fornecer mais algumas informações e, em seguida, receberá algumas propostas de candidato (a)s.

Tais propostas, aliás, são meticulosamente selecionadas com base nos gostos, preferências e objetivos que você forneceu. Ou seja, nada será feito às cegas. E, para completar o quadro, a Golden Years conta com a macthmaker MarleneHeuser, que é especialista em amor e relacionamentos e responsável por mais de duas mil uniões.

Gostou? Preencha o cadastro no lado direito deste site. Se você estiver usando o celular, o cadastro está logo abaixo deste artigo. Imediatamente enviaremos um email explicando melhor como podemos te ajudar a encontrar alguém para relacionamento sério.

 
 
22 de abril de 2016

A árvore dos problemas

Certo fazendeiro resolve contratar um carpinteiro para uma série de reparos
em sua propriedade. O primeiro dia do carpinteiro foi bem difícil. O pneu de
seu carro furou, fazendo com que ele deixasse de ganhar uma hora de
trabalho. Sua serra elétrica quebrou, e aí ele cortou o dedo. Como se não
bastasse, no final do dia, seu carro não funcionou. Assim, o fazendeiro
resolve oferecer carona para casa.

Percorrida a viagem, o carpinteiro convidou-o a entrar e conhecer sua
família. Quando os dois se dirigiam à porta da casa, o carpinteiro parou
junto a uma pequena árvore e gentilmente tocou as pontas dos galhos com as
duas mãos. Ao abrir a porta de casa, o carpinteiro já parecia outro: os
traços tensos do seu rosto transformaram-se em um grande sorriso. Ele
abraçou os filhos e beijou a esposa. Após uma alegre refeição, o fazendeiro
agradeceu e despediu-se de todos.

O carpinteiro acompanhou seu convidado até o carro. Assim que passaram pela
árvore, o fazendeiro questionou seu anfitrião sobre o motivo pelo qual ele
tocara na planta antes de entrar em casa. – Ah! Esta é a minha planta dos
problemas. Eu sei que não posso evitar todos os problemas no meu trabalho,
mas eles não devem chegar até os meus filhos e minha esposa.

Então, toda noite, eu deixo meus problemas nesta árvore quando chego em
casa, e só os pego de volta no dia seguinte. E o senhor quer saber de uma
coisa? Toda manhã, quando volto para buscar meus problemas, eles não são nem
metade daquilo que eu lembro ter deixado na noite anterior.

 
 
15 de abril de 2016

Harmonizando emoções

A busca pelo status, pela felicidade e pela sobrevivência tornou-se uma
obsessão no contexto social em que vivemos. Deitamos e acordamos com os
olhos voltados para a realidade do mundo globalizado: moeda em alta, bolsas
em baixa, desemprego e falta de dinheiro para honrar com os compromissos.

Diante destes inimigos cada um reage de forma diferente. Quem apostou no
conhecimento está mais capacitado para identificar novas oportunidades. Tem
gente que se sente impelida a atingir um clima de permanente alto-astral,
nem que para isso tenha de violentar-se. No entanto, este perfil, não raro,
apresenta ansiedade, crises de depressão, melancolia, síndrome do pânico ou
alguma fobia social.

Estes problemas afetam diretamente os relacionamentos. O cônjuge nem sempre
sabe como reagir diante da instabilidade emocional do parceiro, que diante
de situações desconhecidas, não raramente, perde a noção de limites. A falta
de diálogo e de preparo para conviver e reagir diante das adversidades pode
levar a ruptura do relacionamento. Quem vive conflitos psicológicos dentro
de si tem dificuldades nas relações humanas e sociais. Ninguém se prepara
para lidar com contradições e com os conflitos que fazem parte da vida.

É importante evitar a desarmonia, mas, quando ela é inevitável, o melhor a
fazer é aprender com ela. É inegável que as pessoas nos dias atuais estão
mais tristes. Os lares, hoje, mais parecem moradias de pessoas do mesmo
nome. Falta calor humano, afeto e amor. É que na busca desenfreada de
redecorar casas e escritórios, esquecemos de fazer a decoração interna, o
rearranjo de nós mesmos.

As dificuldades naturais que a vida coloca diante de nós geram insegurança e
um medo, muitas vezes, paralisante. Todos nós passamos por momentos em que
parece nos faltar o chão. Não conseguimos vislumbrar uma saída para um
problema de difícil solução. Estamos energeticamente tão desequilibrados que
nada dá certo.

O carro fica na rua sem combustível. O celular cai e quebra. A meia de nylon
fura bem na hora da reunião. A empregada não aparece para cuidar das
crianças. A explosão parece iminente. E nestas horas costumamos lavar a alma
e despejar nossas desventuras em quem está mais próximo.

Colocamos as pessoas a quem mais amamos na posição de inimigos que
desempenham um importante papel em nossas vidas, pois nos ajudam a ter mais
consciência dos nossos próprios defeitos, fazendo-nos amadurecer e adquirir
maior força interior. Que tal, substituir as pessoas queridas por uma
“árvore dos problemas”, assim como fez o sábio carpinteiro? Não descarregue
seus problemas e frustrações nas pessoas, principalmente naquelas que você
tanto ama.

 
 
12 de abril de 2016

Você sabe o que quer da vida?

vidaCaro leitor, você sabe aonde quer chegar?

Pare e reflita sobre os seus planos traçados há dez anos. A balança está equilibrada? Lembrou de colocar ali a qualidade de vida em termos familiares, atitudes positivas, viagens, saúde, paz de espírito e outros itens, impossíveis de contabilizar em números?

Lembra daquele amigo da faculdade, sempre entusiasmado e com vários projetos interessantes e metas bem definidas? Tem notícias dele?